Pular para o conteúdo principal

O meu Lollapalloza 2014

No domingo do dia 06 de abril foi o segundo e último dia da terceira edição de Lollapalloza Brasil, realizado no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, depois de duas edições no Jockey Club.


Eu e mais dois amigos optamos pelo transporte público para ir e para voltar do festival. Pegamos metrô e trem da CPTM, que nos deixou a vinte minutos do Autódromo. A CPTM disponibilizou mais trens e embarcamos tranquilamente, tanto na ida como na volta. O melhor de tudo isso é que, tanto a linha amarela do metrô, como a linha da CPTM que vai ao Autódromo, foi tomada pelo público do festival. Camisetas de variadas bandas, arcos de flores e camisas da seleção brasileira eram vistos e deixavam a certeza de se estar num festival.



Fazia um calor intenso de trinta e dois graus, que exigiu esforço, principalmente para pessoas que não fazem exercícios como eu.

Dentro do autódromo, mais caminhadas de um palco a outro. Exige-se mais de quem pretende assistir shows diferentes, fato comum e que diferencia um festival, mas em razão do espaço bem maior do que o Jockey, ficou mais fácil circular lá dentro e ver os shows do Palco Ônix, de onde vimos o Soudgarden no começo da noite, mesmo estando longe do palco.

O primeiro show que assistimos foi do quarteto feminino londrino Savages. A banda tem apenas um disco, Silence Yourself, lançado em maio de 2013. Revisitam o pós-punk inglês com identidade e agrada fãs de Siouxie and The Banshes e Joy Division, ingrediente que me agrada e fizeram com que eu virasse fã, tanto que o disco de estreia do grupo foi um dos que eu mais ouvi ano passado e a vinda delas se tornou um dos motivos para eu ir ao festival. As quatro integrantes entraram no palco, vestidas de preto, e o único item colorido era o sapato rosa da vocalista Jenny Berth. 

Savages
O sol escaldante e o visual das garotas poderia ter criado um anticlímax, não fosse a competência da banda ao vivo, executando quase todas as canções do disco Silence Yourself com perfeição, com destaque para She Will, No Face, City´s Full e Husbands, na bela voz de Jenny, que tem uma presença de palco incontestável e que faz falta a outros frontman/woman mais experientes e com anos de carreira nas costas. Além dela, as outras três integrantes tocavam com a energia de poucos e Jenny tentava se comunicar com a plateia, arriscando mais de três frases em português e agradecimento com "obrigada" várias vezes. 


Ao término do show, a sensação era de que poderia ouvi-las por mais uma hora, só que num lugar menor e fechado, repleto de fãs, vários deles conquistados nessa apresentação.



Depois do início “selvagem”, como jornalistas definiram a apresentação do Savages, paramos para comer e beber. Para esse ano, além das barracas de lanches e salgados, o festival criou o Chef´s Stage, no mesmo esquema do Chefs na Rua. A ideia deu certo e era possível degustar pratos de chefes conhecidos de restaurantes renomados por R$ 15,00 a R$ 20,00. O local funcionou muito bem, com espaço paro o público se alimentar lá dentro e o atendimento para adquirir fichas e comprar a comida foi rápido. Eu escolhi um risoto de lingüiça calabreza e hot dog francês.

Seguimos para o show do Pixies. Foi a segunda vez que vi a banda. A primeira foi no finado Festival SWU. A apresentação no Lolla foi melhor do que a anterior. A banda tem ótimas músicas, influenciou vários grupos, inclusive o Nirvana, que é uma das minhas bandas favoritas, mas não faz um show tão empolgante, porém, bastaram tocar sucessos como “Here Comes Your Man”, “Where is My Mind” e “Monkey Gone to Heaven” para fazer a alegria da galera no início da noite.





Mais caminhada para chegar até o palco onde o Soundgarden se apresentaria. A banda nunca esteve no Brasil e voltou com novo disco, King Animal, lançado em 2012. Ingredientes suficientes para lotar o palco. 

O Soundgarden fez parte do movimento grunge e colocou Seattle no mapa da música, junto com Nirvana, Pearl Jam e Alice in Chains. A minha paixão pelo rock alternativo começou com essas bandas no início dos anos noventa e não podia deixar de assistir o galã Chris Cornell desfilar canções que embalaram a minha adolescência. “Outshined”, “Black Hole Sun”, “Spoonman” e “Jesus Christ Pose” foram tocadas na primeira parte do show, que ainda teve “The Day I Tried to Live”, “Rusty Cage”, a balada “Blow up the Outside World” e “Fell on the Black Days”. Um ótimo show com um gosto de nostalgia. 



Saímos um pouco antes do término do show do Soundgarden para pegarmos o Arcade Fire desde o início. A banda veio ao Brasil em 2005, no extinto Tim Festival e tocou antes do Strokes!!! Quem diria? Anos de espera fez com que a banda lançasse, nesse período, mais três discos, entre eles, o recente Reflektor, um dos melhores de 2013. O álbum é inspirado no filme brasileiro Orfeu e a abertura do show trouxe imagens filme. 

A abertura magnífica com Reflektor, faixa-título do disco, antecipou e deu certeza de que seria um espetáculo da banda na sua melhor forma, com quatro discos ótimos e em plena forma no palco. O set list prestigiou músicas dos quatro discos. 

De Funeral, o primeiro e meu favorito, ouvimos Rebellion (Lies), três Neighborhood (Laika, Power Out e a belíssima Tunnels), Haiti e Wake Up, que falarei no final do texto. No Cars Go foi a única representante do denso Neon Bible. Para The Suburbs, escolheram Ready to Start e a faixa título, introduzida por Win Buttler como “uma música que fala sobre saudade”, a frase toda em bom português. As músicas de Reflektor funcionaram bem ao vivo e o “set list” ficou bem equilibrado, com momentos de todos os álbuns da carreira. No meio disso tudo, ainda teve trechos de "O Morro Não tem Vez" de Tom Jobim e "Nine of Ten" de Caetano Veloso. Como se não bastasse a qualidade sonora, as luzes do palco e as imagens do telão engradecem o show da banda, que até faz chuva de papel picado sem ficar brega.


Para o final, Wake Up, de Funeral, que fecha todos os shows da banda. Sonhava em cantar a letra e o Ooohh ooohhhh no começo e repetido no meio da canção ao vivo. Final apoteótico para um show perfeito de uma sinergia entre público e banda como poucas vezes eu vi. Era a última música e o término do festival, mas os momentos inesquecíveis ficarão para sempre, ainda mais sobre esse show que é um dos melhores da minha vida.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Discos perfeitos

Conversando com amigos sobre música, uma delas indagou "qual o disco perfeito para vocês? E discutimos se o perfeito seria o disco que entendemos como o melhor de um artista /banda, mesmo não gostando de TODAS as músicas, ou aquele que gostamos de ouvir da primeira à última música e, não necessariamente é o melhor, mas apenas gostamos de TODAS. 

Para a minha abordagem, vou falar sobre os discos que me agradam do início ao fim e que considero todas as músicas muito boas, sem exceção, mesmo não sendo o melhor do artista/banda. Vários são considerados os melhores por mim e por listas do tipo "discos para ouvir antes de morrer" ou não estarão em nenhuma lista.

Não vou enumerar, por ordem de preferência, mas apenas citar os discos que me incapacitam de não ouvir uma música sequer. Serão cinco agora e depois falarei sobre outros, pois preciso conferir para não esquecer nenhuma "obra perfeita". E vou mencionar as músicas que me fazem apertar o repeat de cada disco, em…